Lampreia

A lampreia é um peixe pertencente ao grupo dos Agnatas, o que significa que não tem verdadeiras maxilas nem barbatanas pares. Tem a boca redonda, com numerosos dentes pequenos e uma ventosa.

Em Portugal existem três espécies de lampreias: a marinha, a de rio e a de riacho. A mais conhecida, muito apreciada na gastronomia, é a lampreia-marinha.

É uma espécie migradora anádroma, o que significa que vive no mar mas, na altura da reprodução, durante a Primavera, sobe os rios para desovar. Inicialmente deixam completamente de se alimentar, chegando o seu estômago a atrofiar se. Abandonam então o mar e sobem os rios para desovar. Escavam, com o auxílio da sua ventosa bucal, um pequeno buraco numa zona pedregosa, onde depositam os ovos. As posturas são enormes, podendo pôr até duzentos mil ovos de forma esférica. As larvas nascem duas semanas depois, cegas e sem dentes, com um aspecto de verme, de tal forma diferentes dos adultos que foram classificadas como uma espécie diferente. Até atingir o estado adulto, os juvenis mantêm-se nos rios, enterrando-se na areia ou lodo e alimentando-se se por filtração, de microrganismos. Esta fase pode durar de 2 a 6 anos, até atingirem o estado adulto e iniciarem a sua migração para o mar.

Quando adultas, as lampreias começam por nutrir se de larvas de peixes e de invertebrados, passando mais tarde a viver à custa do sangue de outros peixes vivos. Com a ajuda da ventosa, fixam se pela boca a outros peixes, fazendo um buraco na sua pele para lhes sugar o sangue e comer a carne. O peixe assim parasitado é obrigado a transportá la, até que ela mude para outro hospedeiro. A lampreia segrega um líquido que impede a coagulação do sangue do peixe parasitado, que morre muitas vezes devido à perda de sangue e infecção das feridas. Os seus hospedeiros preferidos são os tubarões, arenques e diferentes espécies de Gadídeos (badejo, faneca, bacalhau, etc.).

Muito apreciadas na gastronomia, já eram criadas pelos Romanos em lugares preparados para o efeito. No estado adulto o seu comprimento oscila entre 60 e 75 cm, embora possam chegar a medir 1 metro e pesar 1,5 Kg.

Em Portugal a lampreia é abundante mas as populações existentes encontram-se em regressão devido à pesca excessiva de que tem sido alvo, bem como à destruição dos locais de desova e crescimento e à captura ilegal.

É por isso uma espécie ameaçada, com o estatuto internacional de conservação “Vulnerável”, o que significa que é uma espécie protegida, dependendo a sobrevivência da espécie do sucesso da implementação das medidas de protecção e conservação.

As medidas de conservação passam, entre outras, pela protecção rigorosa e manutenção das áreas de desova e crescimento, do aumento do período durante o qual a pesca é proibida, bem como pela intensificação da fiscalização da pesca.